quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Olhar atraente


Meus olhos passavam com muita calma por cada pedaço e cada ponto de sua beleza, seu corpo era como uma paisagem, era como uma pintura perfeita.
Eu apreciava devagar cada segundo daquele momento, como em uma valsa, como quando você é criança e quer chupar o sorvete devagar só pra durar mais.

Eu não podia me parar, ninguém podia me parar, eu estava em transe, estava fora de controle.
"Não me pare porque eu estou me divertindo, eu sou uma estrela cadente saltando pelo céu."

Eu olhava sua boca através do espelho discretamente ao mesmo tempo que tentava um ato arriscado de toca-la "acidentalmente".
Parecia que aquele carro estava nos levando para as estrelas e a única coisa que eu lamentava era que não estávamos sozinhos, eu precisava me controlar.

Sob o luar que nos iluminava, eu era presa fácil diante daquele olhar atraente, aquele olhar que de maneira simples e natural me deixava avoado e desconcertado a noite inteira.

Ela brilhou mais que a lua, se encaixava harmoniosamente com toda a mágica que aquela noite transmitia.
Estrela cadente, flor rara, poesia.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Transição e sinestesia


Eram seis e meia da tarde de um verão, fomos presenteados com uma chuva deliciosa, ela veio, fez o seu trabalho e foi embora, deixou o ar purificado, refrescou o clima e de uma maneira mágica fez um par com a música que eu estava ouvindo, os sons se misturavam como se fosse uma coisa só, a magia do som trazia alegria e chuva com Pink Floyd.

Quando a chuva foi embora, pareceu que levou muita coisa com ela, mas algumas coisas ficaram, eu comecei a escutar a segunda de Mozart e percebi que o sol já estava se pondo.
Os tons das flores pareciam mais fortes, as cores estavam mais vivas, uma mistura de vermelho com laranja, as flores incendiavam o verde da árvore e roubavam todo o brilho, ofuscava qualquer coisa que estivesse por perto.
Os galhos balançavam com o vento sobre o telhado em frente a minha janela, dançando em ritmo de música clássica, parecia que iriam invadir meu quarto, tinha a impressão que seria convidado pra uma valsa psicodélica natural.

Comecei a sentir um aroma perfumado e muito agradável, mas eu não sei se o cheiro vinha das cores ou da música, tanto faz, de repente meu maior desejo era só mais um copo de café pra tudo ficar perfeito.

Depois anoiteceu, a lua substituiu o sol, e eu fui em busca de luzes, pessoas e energia.

Pinky Floyd - Echoes
Mozart - Segunda Sinfonia



quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Madrugada Silenciosa


O silêncio me conforta, acalma, me deixa usar a razão e pensar tranquilo, esse é um dos motivos de eu gostar de morar sozinho, o silêncio não é só silêncio, é música quando eu quero escutar o mundo.

Silêncio me proporciona concentração, paz, inspiração, equilíbrio, foco, alegria e faz um par perfeito com a solidão, estar sozinho no silêncio e ainda sim conseguir manter felicidade e serenidade livre de depressão e tristeza, é a forma mais pura de liberdade.

Por outro lado, as vezes tenho medo de ficar pobre, de virar um mendigo.

Meu coração parece que está sendo petrificado, eu me esforço pra sentir, mas cada vez eu consigo sentir menos, parece que eu já vi tanta merda na vida que nada mais me impressiona, de um tempo pra cá não consigo me apegar a nada, tudo poderia sumir durante essa madrugada, eu acordaria, caminharia sobre as cinzas e me ergueria novamente sem derramar uma lágrima por tudo que perdi.

Porém o mendigo é o único indivíduo que pode se dizer livre de verdade, eu os admiro, a única coisas que eles possuem de valor são os seus cães amigos, e eu estou assim, mais amigos dos meus animais que das pessoas com quem eu deveria, me preocupo mais com meu gato do que com minha família, me preocupo mais com meu cão do que qualquer humano da face da terra, quando até esse afeto pelos animais se for, aí sim eu não terei mais nada a perder, ai sim eu serei um verdadeiro mendigo de sentimentos.

Sinto que minha capacidade de me emocionar e de se importar está indo pelos ralos, sinto que preciso de mais arte e amor na minha vida.

Enquanto isso não se resolve eu vou levando a vida fazendo empréstimos de sentimentos, vou assistindo filmes e lendo livros, assim os personagens podem sentir por mim, sempre é uma ótima válvula de escape trocar realidade por ficção, colorido por preto e branco, que loucura né?

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Madrugada Solitária


Olho no relógio, são quase quatro da madrugada, é mais uma madrugada solitária, gosto de saber que eu não preciso ter meus palhaços particulares, eu consigo me suportar, melhor ainda, consigo me divertir sozinho.

As vezes acho um porre estar no meio de pessoas e tenho vontade de sumir, as vezes é desgastante interagir com as pessoas, as vezes o melhor a se fazer é ficar em casa, ver um filme ou ler um livro e você pode dançar como se ninguém estivesse te vendo, porque realmente não terá.

Existem inúmeras coisas para fazer quando estou sozinho, nunca fico entediado, na verdade é mais comum eu ficar entediado quando estou rodeado de pessoas do que quando estou sozinho, qual o problema das pessoas que precisam estar com alguém o tempo todo, porque esse medo de estar sozinho?

Tic, tac, o tempo continua passando e eu continuo aqui deleitando minha solidão.

Foda-se as pessoas, eu tenho filmes, músicas, livros, café e tenho essa madrugada linda com um céu espetacular e as vezes até consigo ver a lua da janela do meu quarto.

http://youtu.be/ORMcSa3CBUM
Fiquem com esse clip lindo do Black Keys.

Boa madrugada a todos.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Rolezinho

Minha vez sobre os "Rolezinhos".

O polêmico "ROLEZINHO" é um encontro de jovens que combinam via facebook de se encontrarem. Geralmente o local do encontro é algum shopping.

Adolescentes em busca de diversão? Na descrição que divulgava um dos rolezinhos o objetivo era "rever os amigos", "tirar umas fotos", "dar uns beijos" e etc.

O numero elevado de jovens causou tumulto e obviamente tudo saiu fora de controle, não tem nada a ver com classe social, tem gente que quer idealizar o evento dizendo que é apenas uma manifestação para conquistar direitos e espaço das "classes excluídas" mas isso não passa de esquerdistas defecando pela boca.
Eles escolheram uma propriedade privada para juntar milhares de "rolezeiros" e no meio desse pessoal tinha uma galera mal intencionada que aproveitaram para dançar funk, roubar, beber, fazer baderna, fazer arrastões, perturbar a ordem pública e tirar o direito de cidadãos de bens de ir e vir.

É isso que acontece quando você pega milhares de jovens inconsequentes, rebeldes sem causas, vagabundos desinteressados e os juntam em um shopping, é impossível que pelo menos uma parcela não queira vandalizar e fazer arrastões, a maioria só quer ver o circo pegar fogo, roubar alguns tênis e posar de galã nas redes sociais.
Um rolê desse sendo pacífico e organizado não existe, esse tipo de ato tem sim que ser banido, não é assim que se conquista espaço e direitos, vandalismo é sempre um ato de desespero e covardia.
Independente da classe social, ninguém tem direito de se organizar em bando, instalar o caos em propriedade privada e sair impune.

Uma vez em um desses rolezinhos os "manifestantes" lincharam um policial, um servidor público que trabalha arriscando a vida todos os dias para manter a segurança de cada cidadão que o chutava, se é que esse tipo de pessoa pode ser chamado de cidadão.

Por simples bom senso eu sou contra o rolezinho, é fácil você defender baderna em propriedade privada quando a baderna não é na sua casa. E eu espero que todos os shoppings consigam liminares para barrarem esse tipo de bizarrice, vai depender do bom senso dos nossos juízes.

"Pimenta nos olhos dos outros é refresco."

Links Adicionais:
Policial linchado em rolezinho
6mil pessoas, rolezinho em Itaquera




quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Caos



A vida é um sistema binário, a todo instante você tem que escolher entre uma coisa ou outra, você faz o seu caminho. Ninguém faz sempre a escolha certa, é sempre complicado tomar uma decisão, mas a escolha errada pode acabar se tornando a escolha certa e vice versa.
A vida adora nos presentear com surpresas, imprevistos, acidentes e reviravoltas.
As vezes a vida pisa e destrói nossos planos sem dó, mas é isso o que nos tornam vivos, a destruição, o caos, a dor, são coisas ruins porém necessárias, para que possamos aprender a viver, isso nos tornam fortes.
É preciso força, paciência, persistência, foco, para depois de um erro ou imprevisto, conseguir manter a calma e dar a volta por cima. A tendência é aprender com os erros, por isso o caos é necessário, para crescermos e aprendermos a deixar de pensar de forma fútil e infantil, para reconhecermos quais os desejos que realmente importam, que representam necessidades e influenciarão em nossa felicidade, bem-estar e sentimento de realização, olhando para o presente e para o futuro.

Receber Atualizações por E-mail

Coloque seu endereço de E-mail:

Delivered by FeedBurner

Follow by Email